A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza teve início no dia 10 de abril. A meta do Ministério da Saúde é vacinar, em todo o Brasil, 59,5 milhões de pessoas que integram o público-alvo até 31 de maio. O Profissional de Educação Física é da área da saúde e, também, atua nas escolas, portanto, está dentro do grupo prioritário.

Dados do Ministério da Saúde, informam que até o dia 3 de maio, 14,5 milhões de pessoas haviam sido vacinadas no Brasil, o que representa 24,5% do público-alvo. Os grupos que menos se vacinaram foram os profissionais das forças de segurança e salvamento (4,3%), população privada de liberdade (7,6%), pessoas com comorbidades (17,5%), professores (20,7%), funcionários do sistema prisional (21,7%) e trabalhadores de saúde (25,2%). A meta é imunizar pelo menos 90% de cada um dos grupos prioritários, de cerca de 50,5 milhões de pessoas.

No Estado de São Paulo, que tem uma população de 13.477.738 habitantes, foram aplicadas apenas 3.092.064 doses da vacina, ou seja, 22,94%. Desse contingente estadual, o CREF4/SP, no momento, tem 127.376 profissionais registrados, que devem avaliar a importância da vacinação no seu dia a dia. E, 11.823 pessoas jurídicas que podem utilizar os seus murais para comunicar a importância da vacinação aos seus funcionários, estagiários e alunos. Isso sem falar nas mais de 150 instituições de ensino superior de cursos de Educação Física, que também podem colaborar com a campanha, bem como com a saúde de seus alunos.

Importante: No boletim de monitoramento da influenza de 9 de maio, foram registrados 535 casos de hospitalização por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza em todo o país, com 99 óbitos. Do total de mortes por influenza, 88 (90%) foram em pessoas que apresentam fatores de risco como idosos, pessoas com doença crônica, crianças, gestantes, indígenas e puérperas. Todos esses grupos fazem parte do público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação.

Nos primeiros meses do ano, a circulação de vírus influenza se deu com maior intensidade e de forma localizada no estado do Amazonas, com 139 casos e 35 óbitos. O estado de São Paulo também se destaca, com 107 casos e 7 óbitos, logo atrás de Paraná (11 óbitos) e igual ao Pará (7).

O Ministério investiu R$ 968,9 milhões para a aquisição de 64 milhões de vacina neste ano.

A vacina contra gripe não está na rotina do Calendário Nacional de Saúde. Trata-se de uma vacina de campanha, ou seja, ocorre somente em um período específico. Por isso, todos os anos, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, promove a Campanha Nacional de Vacinação.

Quem não conseguiu se vacinar no “Dia D” de mobilização nacional contra a gripe (04.04) pode comparecer aos postos até 31 de maio.

A vacina produzida para 2019 teve mudança em duas das três cepas de sua composição e protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da OMS: A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09; A/Switzerland/8060/2017 (H3N2); B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87). A vacina contra gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença.

Grupos Prioritários

A escolha desses grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

Os grupos prioritários a serem vacinados de acordo com recomendações do Ministério da Saúde são:

• Crianças de seis meses a menores de seis anos (5 anos, 11 meses e 29 dias);
• Gestantes: em qualquer idade gestacional;
• Puérperas: todas as mulheres no período até 45 dias após o parto estão incluídas no grupo alvo de vacinação;
• TRABALHADOR DE SAÚDE: todos os trabalhadores de saúde dos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade;
• PROFESSORES: todos os professores das escolas públicas e privadas;
• Povos indígenas: toda população indígena, a partir dos seis meses de idade;
• Indivíduos com 60 anos ou mais de idade deverão receber a vacina influenza, apresentando documento que comprove a idade;
• População privada de liberdade e funcionários do sistema prisional: o planejamento e operacionalização da vacinação nos estabelecimentos penais deverão ser articulados com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e Secretarias Estaduais de Justiça (Secretarias Estaduais de Segurança Pública ou correlatos), conforme Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário;
• Força de segurança e salvamento;
• Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais independe da idade.

 

 O CREF4/SP entende que é importante a participação de todos os profissionais da saúde – grupo no qual o estudante/estagiário e o Profissional de Educação Física estão inseridos – na Campanha de Vacinação Contra a Influenza, que termina no dia 31 de maio. Procure um posto de saúde mais próximo e cuide-se.

 

Fonte: Portal do Ministério da Saúde

Print Friendly, PDF & Email

 Este post não tem tags para mostrar.