A 10ª Edição do Bosque da Fama, promovida pela Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME) em parceria com o Panathlon Club São Paulo, aconteceu na primeira quinzena de dezembro, no Parque das Bicicletas, em Moema, São Paulo e contou com a participação do conselheiro Pedro Roberto Pereira de Souza, que entregou para cada homenageado o Discóbolo de Míron e a moeda comemorativa dos 20 anos da regulamentação da profissão de Educação Física CREF4/SP.

O Bosque da Fama é um espaço de integração entre o esporte, a história e a conscientização ecológica. Os grandes feitos dos maiores esportistas do estado de São Paulo são perpetuados através de uma iniciativa que estimula a preservação das espécies nativas da flora brasileira e resgata a memória do esporte paulista. Grandes atletas já participaram no Bosque da Fama, chegando, em 2018, a 70 nomes. Junto de cada árvore plantada há uma placa com o nome do atleta e de seus feitos para o esporte brasileiro. A cerimônia é realizada anualmente.

Em 2018 sete atletas foram homenageados: Lars Schmidt Grael – iatismo; Arthur Nabarrete Zanetti – ginástica artística – argolas; Mauro da Silva Gomes – futebol; Washington Joseph, o Dódi – basquete; Patrícia Medrado – tênis; Maria Alice recebeu por Fernando Aloysio Telles Ribeiro – saltos ornamentais (in memoriam) e Adriana Aparecida dos Santos – basquete, que não pode estar presente.

O conselheiro Pedro Roberto falou sobre a realização do evento: “Devido a correria do dia a dia não damos o devido valor aos encontros do Panathlon. Aqui não falamos apenas sobre esporte, mas sobre cultura, amizade, ação, ética e acontecimentos brilhantes da história do esporte e do Clube”. E, citou uma frase do Prof. Gomes Tubino: “O Panathlon é uma gota do oceano na ética esportiva e a gente tem o prazer e o privilégio de ser um Panathleta”.

A importância de Henrique Nicolini (falecido em agosto de 2017) na história do Panathlon foi lembrada. Como exemplo, até no seu último dia de vida ele pensava em desenvolver projetos, trabalhar em função do esporte, do benefício do esporte. “Nicolini vivia, amava e respirava esporte”, concluiu.

Logo após os discursos dos representantes do Panathlon, da secretaria municipal de Esportes e Lazer de São Paulo e do Comitê Olímpico do Brasil (COB), todos se dirigiram para a área de plantio de árvores. Aonde outros grandes esportistas já foram homenageados, como o ex-piloto Ayrton Senna, a ex-tenista Maria Esther Andion Bueno e a ex-jogadora de basquetebol Hortência.

Cada atleta plantou uma muda de uma determinada árvore. O primeiro a participar da ação foi o atleta Arthur Zanetti que plantou uma muda de jatobá; Mauro Silva uma araucária; Lars Schmidt Grael plantou uma muda de pau brasil; Patrícia Medrado uma muda de ipê-amarelo; Washington Joseph, o Dódi, plantou e regou uma muda de ataticun; e Fernando Aloysio Telles Ribeiro (in memoriam) apadrinhou uma goiabeira já existente no local, ao lado do espaço que homenageia Henrique Nicolini, jornalista e ex-presidente da Panathlon.

Álbum disponível no facebook CREF4/SP.

Print Friendly, PDF & Email

 Este post não tem tags para mostrar.