Da Esq. p/a dir., Roberto Saad, Jorge Damião, Iberê de Castro Dias, Daniel Issler, Eduardo Cortez de Freitas Gouvêa, Antonio Carlos Malheiros, Paulo Roberto Fadigas Cesar, Evandro Lemos e Carlos Alberto Robles.

Na manhã do dia 8 de junho, o Fórum João Mendes Júnior foi palco do Seminário “Infância e Juventude e Esporte”. O evento, realizado pela Escola Paulista da Magistratura (EPM) e da Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ) do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, contou com a participação do chefe de gabinete do Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região – CREF4/SP, Prof. Ms. Roberto Jorge Saad que compôs a mesa de abertura ao lado do Dr. Eduardo Cortez de Freitas Gouvêa – desembargador coordenador da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Antonio Carlos Malheiros – desembargador membro consultor da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Daniel Issler – juiz assessor da vice-presidência e membro da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo (representando o desembargador vice-presidente), Dr. Iberê de Castro Dias – juiz assessor da Corregedoria Geral da Justiça e membro da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo (representando o desembargador corregedor geral da Justiça), Dr. Paulo Roberto Fadigas Cesar – juiz de direito da Vara da Infância e Juventude, diretor do Foro Regional VI – Penha de França e membro da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. Jorge Damião de Almeida – secretário de Esporte, Lazer e Recreação do Município de São Paulo, Dr. Evandro Lemos – delegado da 4ª Delegacia Especial de Busca e Apreensão de Adolescentes e Prof. Carlos Alberto Robles – gerente de Educação Física e Esporte da Fundação CASA (representando a presidente). A coordenação dos trabalhos ficou por conta do Dr. Antonio Carlos Malheiros – desembargador membro consultor da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo.

O Dr. Eduardo Cortez de Freitas Gouvêa afirmou ser uma honra receber representantes do esporte, na área da infância e da juventude, pois “manter as crianças e adolescentes em contato com o esporte é uma forma de mantê-los fora do alcance das drogas”. O Dr. Antonio Carlos Malheiros falou da alegria de ter na abertura do evento pessoas tão importantes e envolvidas no esporte, que vêm o esporte como algo fundamental para que as crianças tenham uma vida melhor, ressaltando a importância do palestrante convidado Dr. Iberê de Castro Dias, que apresentou o tema “O Esporte Como Elemento de Inclusão nos Serviços de Acolhimento”.

Na oportunidade, Dr. Iberê, um juiz maratonista, contou a todos como começou o seu interesse pela prática da corrida de rua, há 12 anos e como surgiu o projeto “Sua que é sua”, com adolescentes carentes em situação de risco com as respectivas famílias.

Após um desmaio, por conta de estresse, Dr. Iberê foi informado pelo médico que, mesmo jogando futebol nos finais de semana, era considerado um “quase” sedentário. Aos poucos foi desistindo do futebol e aumentando a prática da corrida. Ele explicou sua “paixão” pela modalidade: “Durante uma corrida de rua temos uma massa de pessoas estranhas, que podem ser e ter qualquer situação social e ali, onde tem tudo para dar errado, não se vê um problema, sem brigas, sem tumulto, sem olhar de preconceito. É um local onde há uma empatia velada. E no final todos ganham uma medalha”. Foi assim que começou a pensar nas casas de acolhimento de adolescentes de Guarulhos e o efeito positivo que as corridas poderiam proporcionar na vida dessas crianças. Muitas coisas envolveram esse projeto, mas o juiz fez questão de ressaltar a colaboração especial do corredor Fabio Nunomura e alguns bons apoiadores/patrocinadores. Segundo Fabio, no momento o projeto está parado, pois é preciso ampliar para ter resultados efetivos junto as crianças e adolescentes.

O juiz também mostrou que “as indignações diante do que se vê na sociedade podem servir de impulso para ações realizadoras” e que oferecer oportunidades é mais simples do que se parece, mas com ajuda política é sempre mais proveitoso. O juiz teceu algumas críticas ao apoio e preocupação do governo e da prefeitura em relação a participação em projetos que envolvam crianças e adolescentes, mas objetiva ampliar o “Sua que é sua” não apenas incluindo os garotos nas corridas, mas também colocando os mesmos para treinar.

Para finalizar a manhã do seminário, o chefe de gabinete do CREF4/SP, Roberto Saad, lembrou que é preciso estar atento à parte educacional, lembrando que não se educa o físico. Entre outros comentários, Dr. Evandro Lemos, delegado da 4ª Delegacia Especial de Busca e Apreensão de Adolescentes, deseja que a empreitada do Dr. Iberê tenha sucesso, que seja uma vertente muito positiva e que retire os adolescentes da frente dos computadores e dos grupos de drogas; Dr. Jorge Damião, secretário de Esporte, Lazer e Recreação do Município de São Paulo, comentou que é fundamental educar pelo exemplo, com processo de acolhimento profissional, para começar uma efetiva transformação; Prof. Carlos Robles, da Fundação CASA, informou que hoje estão num processo de implantação de Educação Física com diagnóstico para saber as reais necessidades do adolescente que entra na instituição; para o Dr. Daniel Issler, juiz assessor da vice-presidência e membro da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, o trabalho que o Dr. Iberê realiza em Guarulhos é sensacional, levando em consideração especialmente o aspecto preventivo.

Por: CREF4/SP

 Este post não tem tags para mostrar.